quarta-feira, 7 de abril de 2010

História de vida

Há cerca de 9 10 anos conheci um casal de ucranianos, muito jovens á procura de uma vida melhor e o destino foi o nosso Pais.
Ele arranjou logo trabalho mas ela nunca conseguiu um trabalho a tempo inteiro, chegou a trabalhar para mim quando eu tinha um estabelecimento, mas eram só 3 h por dia.
Entretanto ela fica grávida, se já havia dificuldades piorou com a chegada de mais um elemento, ele nunca se privava de fumar e beber, mesmo que não houvesse comer essas duas coisas eram as prioridades dele, comecaram os maltratos ela sofria em silêncio.
Tinha a bébé um ano e pouco quando engravidou de novo, ele não queria aquele bébé, mas ela lutou e conseguiu ter mais uma menina, muita fome a mãe passou mas a bébé veio gordinha e com saude 2 meninas lindas.Os maus tratos sucederam-se com mais intensidade, até que ela arranjou emprego num café, e as meninas ficavam numa ama, mas quiz o destino que ela engravidasse de novo, ele bêbado dizia que o filho não era dele, batia-lhe constantemente, até que um dia ela saiu de casa com as filhas. Ele foi fazer queixa dela á segurança social e dizer umas quantas mentiras, tiraram-lhe as filhas e ficou proibida de as ver durante alguns meses.
Imaginam o quanto esta jovem mãe sofreu, sózinha sem ninguém grávida o quanto ela chorou.
O patrão ao saber deste sofrimento acolheu-a na sua casa, um homem bom viuvo mais velho que ela, uma vida estável lhe deu carinho e bem estar, entretanto o b´bé nasceu um menino lindo.
Começou a batalha judicial pelas filhas agora ela tinha casa para as filhas tinha mais condições que o pai, que entretanto perdeu o emprego por andar sempre bêbado, e aí virou-se o feitiço contra o feiticeiro, ela finalmente ganhou a posse das filhas.

HÁ um mês atrás bateu-me á porta se eu a ajudava uma vez mais, claro que sim foi a minha resposta, então era se eu escrevia uma carta ao SR DR JUIZ se a ajudava a ir de férias á Ucrânia 15 dias pois o pai não autorizava.
Escrevi como se fosse eu não sei onde fui buscar tanta inspiração, mas que eu toquei no coração do Juiz há isso consegui.
Na segunda feira o meu telefone tocou, era ela a agradecer-me o juiz deu-lhe o poder paternal e a autorização para ir de férias, ela chorava ao telefone e eu também de alegria, eu fiquei tão feliz por ela já chega de sofrimento tão nova mas com uma vida de muito sofrimento já é tempo de ser feliz.
Hoje ela está bem tem um homem que a trata como uma princesa adora os filhos dela aliás o menino até lhe chama pai porque o verdadeiro ele nunca o viu.
Eu tinha que partilhar esta história de vida, da qual nunca me arrependi do que fiz matei-lhe muita vez a fome a ela e as filhos, fui mãe dela para lhe dar alguns conselhos, limpei-lhe muitas lágrimas, e tudo isto eu vivi esta história e sofri com ela, hoje está tudo bem para o mês que vem vão todos de férias conhecer os avós e ela ver a familia que nunca mais viu.

5 comentários:

Beth/Lilás disse...

Gaby, queridona!
Que história tocante esta e fico orgulhosa em saber que tenho uma amiga como você, que ajuda, participa, colabora e ainda por cima contribue na manutenção da vida humana neste sofrido planetinha.
Parabéns amiga!
Um grande abraço carioca

angelina disse...

bom dia Gaby
è uma linda historia triste
mas acaba bem e agora daqui para a frente que Deus a ajude a ser feliz
e a ti tambem que tens bom coração
nunca devemos virar as costas a quem preçise de ajuda hoje são eles amanhã podemos ser nos
beijinhos

laura disse...

Olá,
Estamos as duas entusiasmadas com a quinta...
Foi bom "conhecer-te".

Quanto a essa história triste com fim feliz, deixou.me enternecida.
Há sempre uma Luz e essa senhora acreditou e lutou por essa luz.

Eu tenho uma empregada Ucraniana, gosto muito dela e ela de mim, tenho a impressão que sou para ela a "mãe" portuguesa, e fico contente.

Um abração e até breve.
Beijinhos,
laura

Teresa disse...

Querida Gaby, obrigada por partilhares essa história, triste e linda ao mesmo tempo. Não temos falado... Aparece no Laço na terça-feira à nove e meia, sff!!!
Beijinhos grandes,
T.

Natália disse...

Que lindo Gaby
És uma grande Mulher e Amiga.
Esta história mais uma vez vem demonstrar que eu não estava enganada desde o primeiro dia que te conheci.
Beijinhos